Páginas

quinta-feira, 15 de outubro de 2015

A primeira postagem e uma homenagem a Seleção Brasileira de 1982



Time base: Waldir Peres; Júnior, Luisinho, Oscar e Leandro; Cerezo e Falcão; Éder, Zico e Sócrates; Serginho. Técnico: Telê Santana.


Em 1982, o futebol brasileiro ficou conhecido como o melhor de todos os tempos. Exagero? Veremos alguns detalhes.

O Brasil  passou sem dificuldades pelas eliminatórias, com 100% de aproveitamento. O selecionado era comandado por Telê Santana, um diferenciado técnico que sempre quis implantar o futebol  com requintes da arte tupiniquim. O comandante contava com um elenco cheio de craques, como Éder, Falcão, Sócrates, Zico, Toninho Cerezo e Júnior. Tinha também o artilheiro Careca, mas infelizmente se lesionou antes do torneio de 1982, e ficou de fora.

Proporcionando  shows na Europa

O motivo que levou a Seleção Brasileira a chegar com pompas e favoritismo se deve também a excursão bem sucedida ao velho continente feita antes do Mundial da Espanha. O Brasil convenceu e venceu três potências europeias atuando em território hostil. Vitórias sobre a Inglaterra em Wembley , algo inédito. Venceu também a França em Paris e a Alemanha em Stuttgart. Quem não respeitaria o Brasil? Afinal, éramos tricampeões mundiais e vivíamos em uma década repleta de ótimos jogadores. Uma safra de atletas que poderia render o tetra, era questão de tempo.

Copa do Mundo de 1982

Na Copa, o Brasil passou sem mais dificuldades pelo grupo composto por Escócia , União Soviética e Nova Zelândia com três vitórias. O futebol encantava , mas a defesa gerava preocupação.

Segunda fase

Em seguida , a seleção enfrentaria a atual campeã mundial Argentina, do jovem Maradona em sua primeira participação em mundiais  e do artilheiro Kempes. Adversário a altura ? Não , nem mesmo a rivalidade entre as equipes fez com que o jogo fosse equilibrado. O Brasil sobrou , venceu por 3 a 1 e eliminou os hermanos em Barcelona. Um alfajor de brinde.

Joga bonito

O estilo de jogar implantado pelos brasileiros fascinava os espanhóis presentes nos estádios. Os telespectadores em todo o mundo se deliciavam na TV com a seleção do canarinho. Encantar o mundo com futebol arte  e vencer parecia possível.
Zico, um dos craques daquela seleção afirmara que o favoritismo era dos brasileiros e que nunca foi incômodo jogar com esse peso.

O fiasco e a injustiça futebolística 

A Itália era freguesa, já havia sido derrotada pelos brasileiros em 1970 e em 1978. A Azurra também não convencia na competição, três empates na primeira fase e uma vitória surpreendente sobre a Argentina. Sem contar o esquema de manipulação de resultados que assolou o futebol italiano antes da Copa. O Brasil precisava somente de um empate. Porém , os comandados de Telê não se contentariam com uma igualdade. Ofensivo demais, brilhante demais, assim era essa seleção. Mas como tudo na vida , todas as coisas têm dois lados. Se a seleção brasileira era quase perfeita ofensivamente , não se podia dizer isso do sistema defensivo. Mesmo assim , isso não era motivo de preocupação. Deveria.

O inacreditável aconteceu na Espanha e o Brasil foi surpreendido pela Itália do algoz Paolo Rossi, até então sem marcar um gol se quer no torneio, marcou três vezes, logo contra o Brasil e nos eliminou. É, estávamos fora de mais uma Copa do Mundo, aquela que seria a mais bela conquista, se tornou uma das maiores tragédias do futebol brasileiro. A Itália mesmo sem o brilho tupiniquim , tinha uma defesa quase impenetrável e estava na semifinal. 

A herança  de 1982

Nossos avós , nossos pais , todos falam dessa geração brilhante, desses jogadores , dessa seleção , dessa Copa de 1982. Eles não serão esquecidos pelas pessoas que amam o futebol. Mesmo sem o título, o Brasil de 1982 deixou um legado. " É possível  encantar o mundo com o futebol arte, mas nem sempre o melhor vence".


"São apenas detalhes do futebol"

O vídeo mostra um pouco da melhor seleção de todos os tempos com uma dedicação final ao mestre Telê Santana.